MAPA DO SITE

Copyright (C)   - Todos os direitos reservados; 2013-2020™ - GM7 Educação Corporativa

Como Prender a Atenção das Pessoas

Genilson Mariano*



             
   
     
Quando o palestrante iniciou sua fala, as pessoas já se olharam e alguns balançaram a cabeça negativamente – a primeira impressão não foi boa. Com 5 minutos de apresentação alguns jovens já tinha saído do auditório, e já tinha se passado mais de meia hora quando ele deixou claro sobre qual tema iria expor. Sua voz era suave e monótona, fazia pausas longas, falava em tom baixo, gesticulava pouco e quase não se movimentava. A linguagem que o jovem palestrante utilizava continha muitos termos técnicos que o público jovem não conhecia, termos que não eram explicados na sequência.
    O final era previsível – o auditório vazio – só o jovem a falar para 100 cadeiras desocupadas. E o jovem reagiu, em um contra-ataque no momento exato começou a utilizar uma ferramenta muito válida para despertar o público – vídeos curtos.
    Sem explicar o significado e a aplicação do vídeo ao tema ele apertou o play, após 10 minutos, ao terminar o desenho, nenhuma explicação além de : “legal esse vídeo não é?”. E outro vídeo veio, e mais outro, e chegou ao sétimo… todos sem “a moral da história”. Enquanto passavam os vídeos, o palestrante cantou junto – e muito mal por sinal, ele saiu do auditório, deixando as poucas pessoas sozinhas…
    O que era para ajudar, piorou a situação, e mais pessoas saiam da sala. Era perceptível a preocupação dos organizadores vendo o auditório ficar vazio. O orador não conseguiu prender a atenção de ninguém.
    Naquele dia, 90% das pessoas presentes já não estavam mais presentes ao final da apresentação. O que era para durar 1h30min, durou 2h20min. O evento que tinha previsão de encerramento, por questão de tempo, encerramento oficial não teve mais. Eis aqui um grande exemplo, de como não prender a atenção das pessoas.
    Sabemos que não é todo dia ou todo evento que encontramos ótimos palestrantes, ótimos professores, enfim, pessoas que prendem nossa atenção enquanto falam. Já tivemos grandes oradores como Cícerus, Pe. Antônio Vieira, Jânio Quadros, Marti Luther King e muitos outros, e em nossos tempos, podemos lembrar do presidente Barack Obama, Steve Job, dos comentaristas Arnaldo Jabor e Alexandre Garcia além de grandes advogados, juízes, promotores, jornalistas, radialistas, professores, humoristas, estes que conseguem prender nossas atenções e nos fazer rir muito. E não podemos esquecer dos mais novos tipos de humoristas – os do Stand Up Comedy (comédia de pé), eles que falam de coisas do cotidiano apresentando-nos um novo olhar sobre diversos assuntos.
    Se não é tão fácil assim encontrar um grande orador, e temos visto em nossos telejornais vários profissionais tirarem o fôlego da platéia, prender a atenção, se destacarem por sua performance, quer dizer então que não é impossível ser um(a) grande orador(a) e prender a atenção das pessoas, mas o que esses profissionais têm em comum que fazem o maior sucesso?
      Existem dois livros lançados nos Estados Unidos, um chamado Teaching as leadership (Ensinando como líder) escrito por Steven Farr, e outro chamado Teach Like a Champion, (Ensinando como um campeão), mais do que ensinar, eles vêm colecionando dados sobre os professores mais eficientes. Suas técnicas, seus métodos, sua formação, como se preparam para o trabalho. Aqui seguem algumas dicas dessas análises e outras baseadas na prática de grandes oradores, de uma forma adaptada para uma apresentação – independente se é uma aula, uma apresentação de trabalho ou uma palestra. Veja então em 7 Dicas Como Prender a Atenção das Pessoas:
      1.     O olhar: É o primeiro contato com o público junto com sua postura corporal. Deve ser convicto, acompanhado de um leve sorriso, que passe bom humor. Antes de falar, com tranqüilidade, dê uma olhada por todo o público: na frente, atrás, no meio, por todos os lados. Lembre-se sempre que o seu olhar mostra que é para aquele grupo de pessoas que você está se comunicando, principalmente quando o grupo está longe de você.
      2.     A postura corporal: Você pode passar a primeira impressão negativa antes mesmo de abrir a boca. Basta entrar ou se posicionar com uma postura débil. Procure então manter sempre a postura correta que você já aprendeu: corpo sobre os 2 pés sem descansar sobre um e outro, postura ereta, braços acima da cintura.
      3.  A Gesticulação: É algo que não deve sobrar nem faltar. A falta dela desanima o público e o excesso tira a atenção. Procure então equilibrar os gestos, evitando gesticular abaixo da cintura e acima da cabeça.
    4. A movimentação: Segundo Steven Farr, o movimento deve acontecer com frequência, passando próximo as pessoas – estejam elas na frente, nas laterais ou atrás. Você deve parar por um instante em lugares diferentes como no fundo da sala, isso muda um pouco a direção que as pessoas estão acostumados a olhar, e por ser fora de costume, a tendência é que todos prestem atenção no que está se falando, principalmente as pessoas mais próximas de onde você está.
     5.   A variação da fala: No mau exemplo que apresentamos anteriormente, o palestrante tinha uma voz: suave, monótona, de pausas longas e falava em tom baixo. Falando assim, você poderá perder a atenção do público para a sonolência e à dispersão. Use sempre as variações, falando hora mais baixo, hora mais alto, hora mais rápido, hora mais lento. Valorize as pausas em sua fala. Ressaltando ainda que se você já possui uma fala naturalmente mais acelerada, você deve valorizar ainda mais as pausas, o que contribui para que as pessoas compreendam e reflitam sobre o que acabou de dizer. Lembre-se também de acrescentar um sorriso em alguns momentos, isso ajudar a passar segurança e tranqüilidade para falar do assunto.
       6.  Crie expectativas: Todos nós temos expectativas em relação a alguém ou alguma coisa. Temos expectativas quando paramos para ouvir alguém. E tudo que você precisa, é saber quais são as expectativas do seu público, assim, fica mais fácil atendê-las e superá-las. A forma mais simples de fazer isso é apresentando tudo que as pessoas vão saber ao final de sua apresentação. Você pode começar com questionamentos que gerem reflexões sobre o tema, mostrando que durante sua fala, irá explicar todas as respostas, dessa forma, a tendência que as pessoas prestem atenção para saberem as respostas. Ou pode começar completando a seguinte frase: “Quando eu terminar minha apresentação você saberá como…”. Lembre-se: o importante é despertar o interesse nas pessoas em ouvir você, em descobrir o que você tem a dizer!
    7.  A dedicação: Não se canse de treinar. Você não pode ter preguiça para treinar. Para exercitar, faça marcações em seus ensaios para ajudar na interpretação e treine com auxílio de uma câmera de vídeo – na falta desse equipamento, faça os exercícios na frente de um espelho. Não existe um bom trabalho, ou boa apresentação sem dedicação. Qualquer boa, ou excelente apresentação tem por trás horas e horas de dedicação, de transpiração.  Quando você estiver treinando, e já estiver cansado, saiba que está no caminho certo, e que o seu sucesso na apresentação está a poucas horas de mais ensaio.
    Os melhores professores, palestrantes, apresentadores, enfim, os melhores oradores fazem tudo isso que você viu, faça você também. Mas lembre-se, para colocar tudo em prática, é preciso muito treino, muito esforço, muita dedicação, o importante mesmo, é saber que tudo vale muito a pena! Sucesso a todos, sucesso a você!


* Genilson Mariano é professor de Pós-Graduação em Docência Universitária, na disciplina de Liderança, Oratória e Marketing Pessoal Docente, e na área de Gestão de Pessoas na Faculdade Católica de Anápolis, é escritor autor do livro "Prepare-se para Vencer", empresário e tem palestrado em diversas instituições pelo Brasil. Já foi professor de crianças, jovens e adultos em escolas públicas e privada, projetos sociais, professor particular e a 6 anos é palestrante Educacional. Seu diferencial nas palestras está no dinamismo e uso de técnicas teatrais, técnicas bem sucedidas de palestrantes e de professores considerados de alto desempenho.

​Certo dia fui convidado para assistir uma palestra numa instituição de ensino da cidade de Anápolis. A palestra tinha um tema muito interessante, e atraiu um público que tinha grandes expectativas pela apresentação.
     O palestrante era jovem, de boa aparência, bem vestido, e tinha uma hora e meia para discorrer sobre o assunto. O público era de maioria jovem, e, alguns adultos que faziam parte da organização do evento. Tudo indicava que seria uma ótima palestra… até que ela começou.